Polaroid

Saiba tudo sobre a câmera fotográfica que foi sucesso absoluto nos anos 90

Você vê algo que te chama atenção, aponta a lente para focar, faz o clique e confere a foto. Esse movimento tão natural nem sempre foi simples assim. Antes da invenção das câmeras digitais, só era possível saber o resultado de uma foto depois de revelar o filme da máquina. A menos que você tivesse uma Polaroid.

Coisa de criança

Foi durante uma temporada de férias que o físico americano Edwin Land ouviu de sua filha de apenas 3 anos a pergunta que mexeu com sua cabeça. “Por que não podemos ver a foto agora, papai? ”. A solução viria 5 anos depois, em 1948, com o lançamento da primeira câmera instantânea da história.

Um passe de mágica

A grande inovação proposta pela Polaroid foi a inclusão dos químicos de revelação dentro do próprio filme. Assim, após disparar a foto, o papel fotográfico passa por dois rolos que espalham as substância na sua superfície enquanto ele sai da máquina. A imagem poderia ser conferida 1 minuto depois, como num passe de mágica.

Da popularização ao universo pop

As primeiras Polaroids se tornaram um sucesso de vendas, mas ainda só era possível fazer fotos preto & branco com a câmera. Em 1963, isso mudou. Com o lançamento do filme instantâneo colorido, a marca entrou de vez para o universo pop. A baixa saturação das cores, os pontos de desfoque e a moldura das fotos se transformaram em recursos estéticos para artistas como Andy Warhol. Depois de se consolidar como uma das câmeras mais desejadas, a Polaroid virou pop art.

Câmera compacta, design mítico

A câmera instantânea da Polaroid passou por uma grande evolução até chegar às suas versões mais conhecidas. Primeiro, ela se tornou uma máquina mais compacta:

Depois, ela apresentou seu visual mais conhecido e adorado.

Até hoje as pessoas disputam os modelos antigos das máquinas em sebos, de tão amada que a câmera se tornou.

O fim, ou melhor, um novo começo

O novo milênio popularizou as câmeras digitais e a Polaroid, junto com a fotografia analógica, foi perdendo espaço entre os cliques das pessoas. Até que a empresa anunciou em 2008 que iria praticamente se dedicar ao negócio digital. Um final que mais pareceu uma pausa, já que a câmera voltou a ser produzida recentemente com seu design clássico.

Advertisements

PROCESSO FOTOGRÁFICO: Papel albuminado

impressão em papel albuminado foi inventada em 1850 por Louis Désiré Blanquart-Evrard, e foi o primeiro método comercialmente viável de se obter impressões fotográficas a partir de negativos. Usava albumina (extraída de clara de ovo) para fixar os sais de prata ao papel. Foi a forma mais popular de impressão fotográfica até o início do século XX, tendo sido usada nas fotografias carte-de-visite.

Processo

O papel (geralmente de algodão) era coberto com albumina. Depois era sensitizado com nitrato de prata, e seco sem ser exposto à luz.

“Mary Mother”, impressão em papel albuminado, de Julia Margaret Cameron

A imagem era impressa por meio de contato direto, na época, uma negativo em placa de vidro. Hoje, isso pode ser feito usando filme de grande formato. O papel era sensível à luz ultravioleta, que é preferível ao uso de luz solar direta (o resultado é mais previsível). O papel devia ser exposto até a imagem atingir tons um pouco mais claros do que o resultado final desejado.

Por fim, um banho de tiosulfato de sódio fixava a imagem. Opcionalmente, a imagem podia ser tonalizada(sépia ou outras cores) usando diversos compostos.

Detalhe de impressão em papel albuminado