Como Fazer Uma Cianotipia

A cianotipia foi um dos primeiros processos de impressão fotográfica em papel. Foi descoberta por Sir John Herschel, notável cientista, cuja atividade principal era a astronomia, tendo feito diversos achados neste campo. Além disso, fez pesquisas relevantes na fotografia e, segundo autores abalizados, deve-se a ele também a descoberta do hipossulfito como agente fixador.

Um processo simples e bastante versátil, quase sempre tratado como mera curiosidade e que tem na escala de azul sua principal e distinta característica visual. Para aplicá-lo são somente necessárias duas soluções, uma fonte qualquer de radiação ultra-violeta e água.

A Química.

Primeira solução: diluir 25g de citrato férrico amoniacal (verde) em 60 ml de água, depois completar o volume, com água, até 100 ml.

Segunda solução: diluir 10g de ferricianeto de potássio em 60 ml de água, depois completar o volume, com água, até 100 ml.

Atenção: O citrato férrico amoniacal tem duas formas, a verde e a marrom. A verde apresenta melhores resultados.

O Suporte.

Deve se utilizar um papel que possa suportar uma lavagem prolongada. Os melhores são os papéis usados para técnicas molhadas como guache e aquarela. Pessoalmente prefiro o Canson Montval 300g. Não há necessidade de especial preocupação quanto ao papel ser ácido, aliás a cianotipia, em meio alcalino desbota.

Sensibilização do Papel.

Misturar volumes iguais das duas soluções e, com uma trincha, aplicar diretamente sobre o papel. Alguns autores indicam que essa aplicação não pode ser feita com nenhum tipo de pincel que tenha uma virola de metal porque ocorreria oxidação que influenciaria no resultado final. Essa oxidação de fato ocorre, mas se o pincel for bem lavado após cada sessão isso somente será um problema após várias semanas.

A sensibilização do papel não precisa ser feita no escuro. Uma lâmpada de 40w a uns três metros de distância não causará nenhum dano. Por outro lado nunca use lâmpadas fluorescentes ou tente sensibilizar o papel durante o dia sem estar com as cortinas fechadas (bem fechadas). A mistura das duas soluções é sensível a radiação UV.

Uma vez sensibilizado o papel, deixe-o em um local escuro para secar. Esse papel deve ser utilizado em, no máximo, 48 horas. Após esse tempo a oxidação natural da solução tornará seu uso impraticável.

O Negativo.

Por ser um processo de contato é necessário que o negativo utilizado seja do mesmo tamanho da cópia desejada. Você pode mandar fazer um fotolito ou então, o que é mais fácil e barato, fazer seus próprios negativos a partir de qualquer arquivo digital. O procedimento é simples e pode ser feito com qualquer bom editor de imagens com os seguintes passos:

foto original => escala de cinza => inverter => ajustes de brilho e contraste=> imprimir (somente tinta preta)

A impressão pode ser feita com uma boa impressora de jato de tinta usando uma transparência.

Exposição.

Como em todos os processos para cópia usados ao longo do Século XIX, a obtenção da imagem era feita por contato direto do negativo com o papel. Para isso eram usados chassis próprios no entanto, para facilitar nossa vida, podemos fazer a mesma coisa com um sanduiche feito com duas placas de vidro e entre elas, o papel sensibilizado posto sob o negativo que se deseja copiar.

Esse conjunto é exposto ao sol ou outra fonte qualquer de UV o tempo necessário para a formação de imagem.

Aí é que entram a prática e o bom senso. A intensidade de UV varia em função da estação do ano, do local, da hora do dia e das condições metereológicas, ou seja. Você só vai conseguir “acertar a exposição” depois de algumas sessões de ensaio e erro.

A Revelação”.

Isso é simples. Basta colocar o papel em uma bandeja (essas de plástico branco e borda alta servem), com água corrente até que todo o excesso da solução sensibilizante seja lavado, depois é só deixar secar na sombra e pronto. Em três ou quatro dias, a imagem adquirirá seu tom azul definitivo.

Esse é o processo básico para a cianotipia e existe um sem número de variações tanto de fórmulas quanto de aditivos que podem ser utilizados na “revelação” quanto em viragens ou tingimentos da cópia, mas isso é para outro post.

A cianotipia foi um dos primeiros processos de impressão fotográfica em papel. Foi descoberta por Sir John Herschel, notável cientista, cuja atividade principal era a astronomia, tendo feito diversos achados neste campo. Além disso, fez pesquisas relevantes na fotografia e, segundo autores abalizados, deve-se a ele também a descoberta do hipossulfito como agente fixador.

Advertisements

Cristiano Mascaro – e a lente crítica

Cristiano Mascaro (Catanduva, 22 de outubro de 1944) é um arquiteto e fotógrafo brasileiro. Atuou como repórter fotográfico na revista Veja, entre 1968 e 1972. Dedica-se a documentar as cidades brasileiras, em especial a arquitetura da cidade de São Paulo.

Mestre em estruturas ambientais urbanas, com a dissertação O Uso da Fotografia na Interpretação do Espaço Urbano (1986) e Doutor (1994), com a tese A Fotografia e a Arquitetura, ambos pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, onde dirigiu o Laboratório de Recursos Audiovisuais entre 1974 e 1988. Foi professor de foto jornalismo da Enfoco Escola de Fotografia (1972-1975) e de comunicação visual na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo de Santos (1976-1986).

Na faculdade, ele teve contato com grandes artistas brasileiros, como o cenógrafo Flávio Império e o arquiteto João Batista Vilanova Artigas. Ao  mesmo tempo, o País passava por um turbulento momento político e, dentro desse contexto, a vivência universitária foi ainda mais valiosa. “Eu entrei na FAU em 1964 e saí em 1968, dois anos muito marcantes”, conta. “Nesse período, apesar da ditadura, havia um movimento de resistência na música, no teatro, nos jornais. Para mim, foi um privilégio estar na FAU e acompanhar aquele momento desse ponto de vista do combate, da resistência.”

Cristiano um estilo próprio, que na exposição é explorado conforme os diferentes eixos que seu trabalho seguiu, tanto no formato, com diferentes tipos de câmera, quanto na temática. Há uma seção dedicada apenas a retratos, por exemplo, assim como uma para imagens de casas e interiores, e outra para fotos feitas com o celular.

Também em destaque na mostra, um ponto importante da obra de Mascaro é o olhar sobre as cidades e a arquitetura. Criado em São Paulo, ele conta que essa característica o acompanha desde a juventude. “Naquele tempo, a gente ia a pé para o cinema, para a escola, e eu ficava admirando aqueles prédios”, lembra. Houve ainda um impacto do cinema, de filmes que tematizavam a vida urbana, como alguns do movimento francês da Nouvelle Vague.

O nascimento da câmera fotográfica

A primeira câmera fotográfica foi feita por um francês Joseph Nicéphore Niépce em 1826, que usou uma placa de estranho coberta com um derivado de petróleo fotossensível (chamado betume da judéia). foi um outro francês, Daguererre ele que apresentou a primeira câmera fotográfica em 07 de janeiro de 1839, na academia Francesa de Ciência, em paris.

A fotografia sempre esteve presente em nossas vidas, e usamos câmeras fotográficas em todos os momentos, alias se não fossem elas não conseguiríamos registra momentos marcantes que não podemos esquecer. e cada dia que passa as câmeras vem se inovando e trazendo mais qualidade de imagem e facilidade para a população.

Como fotografar animais

A primeira dica é saber a rotina do animal. Nossos bichos sempre têm cantos preferidos para dormir e passar o tempo, além de brinquedos favoritos e horários para comer, tomar água e passear.

Procure encontrar um momento de distração do animal, quanto mais discreto você for, melhor. O bicho quer atenção, mas não sabe que precisa posar para uma fotografia. Procurar um bom momento é o essencial.

Quero trabalhar com fotografia

Em um mercado cada vez mais focado em imagem, como lidar com a possibilidade de uma nova atuação profissional

“Quero começar a trabalhar com fotografia, mas não sei por onde começar ou como atrair clientes. Também tenho medo de largar minha atual profissão e não ter sucesso com a fotografia. Como lidar com esta dúvida?”

RESPOSTA: Seu problema talvez seja um drama comum pelo qual todo empreendedor já passou: como largar a estabilidade do seu emprego e apostar no trabalho dos seus sonhos com um futuro incerto? A verdade é que não existe uma resposta pronta, mas alguns caminhos podem te ajudar nesse processo.

Para iniciar na fotografia você precisa, obviamente, comprar uma câmera fotográfica. Não é necessário investir logo de cara na máquina mais cara do mercado. Inicialmente, uma câmera profissional com sensor cropado já irá te atender. Depois existem os investimentos com lente, flash, bateria e cartão de memória. Além disso, é muito importante fazer um seguro do equipamento.

Certa vez, Henri Carties-Bresson afirmou que “suas primeiras 10 mil fotografias são as piores”. E a frase não poderia estar mais correta. Por isso, para chegar minimamente em um nível comercial você precisa praticar e muito. Fotografe tudo ao seu redor, sejam pessoas, objetos ou paisagens. O importante é você ter domínio cirúrgico sobre seu equipamento. Treine também o seu olhar fotográfico e a sua percepção da luz.

No entanto, para todo trabalho prático é fundamental um embasamento teórico. Por essa razão, faça cursos ou um workshop que seja com um especialista na área da fotografia na qual você pretende trabalhar. Os livros de fotografia, negócios e marketing (Sim, negócios e marketing são essenciais para viver de fotografia) vão te ajudar nesse processo, assim como a infinitude de vídeos no youtube com dicas e técnicas que você pode encontrar a custo zero.

A terceira etapa é justamente pensar em qual área da fotografia você gosta e investir nela. Sei bem que, no início, a tendência é aceitarmos todos os trabalhos que aparecem. Mas o quanto antes o público perceber que você é especialista em determinado segmento, mais atenção e valor você terá das pessoas e dos futuros clientes.

Para os clientes te contratarem primeiro eles precisam chegar até você. Por isso, te pergunto, você já contou para todo mundo que é fotógrafa? Você se apresenta como fotógrafa? Se uma pessoa entra nas suas redes sociais, ela te identifica como fotógrafa? É muito importante que todos ao seu redor percebam que você é uma profissional no seu segmento. Dessa maneira, seus perfis necessitam estar alinhados com a imagem de uma profissional de fotografia. Seus Insta, Stories, devem falar sobre o seu dia-a-dia na fotografia ou a sua trajetória para se tornar uma profissional. Além disso, é fundamental alimentar essas redes com imagens de qualidade todos os dias.

Outro fator importante é a criação de um site. Você sabia que todo cliente que pretende contratar um serviço fotográfico costuma pesquisar o nome da pessoa ou da empresa pela internet? O seu site próprio é que vai te dar credibilidade e segurança para o cliente fechar um negócio. Posteriormente, existem os investimentos com publicidade, produção de conteúdo e outras estratégias de marketing que são assuntos mais elaborados que não abordarei neste momento.

Vale destacar que você deve considerar a fotografia como um negócio como qualquer outro que demanda tempo, disciplina e muito esforço. Fotografar corresponde a cerca de 20% do seu trabalho. O restante será preenchido com edição, atendimento ao cliente, prospecção de vendas e marketing. Para quem achava que fotografar seria viver de arte, isso é um banho de água fria. Mas não desanime porque esse trabalho é extremamente recompensador.

Para finalizar, devo dizer que 95% dos fotógrafos um dia tiveram uma dupla jornada de trabalho. Por isso, não recomendo você largar imediatamente o seu emprego fixo. Inclusive, é através dele que você pode juntar dinheiro necessário para os primeiros equipamentos. No seu tempo tempo livre, procure estudar, fotografar e montar os pilares da sua empresa. Com o tempo, os clientes surgirão e terá um momento em que você pensará se vale a pena continuar com o seu emprego atual. A partir desse ponto você terá que apostar no seu negócio próprio se quiser viver exclusivamente dessa arte. No entanto, se der certo será o click mais perfeito da sua vida, capaz de extrair a satisfação e o sorriso do seu cliente e de você própria.

A fotografia com pegada pop de Gabriel Wickbold

Gabriel Wickbold é uma daquelas figuras com mentes inquietas. Sempre explorando novas técnicas, o aclamado fotógrafo paulistano recorre a métodos nada convencionais para alcançar os efeitos desejados. O resultado são imagens esteticamente exuberantes que pouco recorrem à edição digital na pós-produção e que guardam reflexões sobre a relação do homem com a natureza e a tecnologia.

O virtuosismo fotográfico com pegada pop de Wickbold ficou conhecido por meios de séries como Sexual colorsSans tacheNaïveI am on-line e I am light. Uma amostra de seus numerosos trabalhos ao longo dos 12 anos de carreira ficarão expostos a partir de hoje na galeria Divino Quadro.

Paralelamente à exposição, o fotógrafo aproveitará para lançar na capital, onde vem pela primeira vez, o livro autointitulado com cinco capas diferentes. Cada uma delas faz referência a uma de suas séries. No caminho criativo, ele parte da experimentação para, depois, desenvolver um conceito. “Tem um processo de inspiração, criação e transformação. Todas as minhas séries têm uma técnica. Começo com um recorte diferente. A partir dessa técnica, eu levanto uma discussão”, comenta Gabriel.

Embora sua estética seja repleta de cores vibrantes e de efeitos visuais, Gabriel Wickbold explica que, em boa parte das fotos, o trato é mais artesanal, encerrado no clique. As narrativas imagéticas são contadas por meio de elementos da natureza, luzes, tintas, cabos, e o que mais surtir efeitos gráficos interessantes.

A primeira série foi Sexual colors, de 2008. “A parte líquida da tinta representa uma volta das sensações humanas, da transpiração, da lágrima, do gozo, do sangue”. Depois, lançou Naïve (ingênuo), em 2012. “Quis dar o nome de ingênuo, pelo fato de homem se sentir superior à natureza. Coloquei o homem na imagem, e a partir dele nascem diversos elementos da natureza. Plantas, insetos, partes de animais. Eu quis colocar só a cabeça, porque ela representa essa ganância.”

Em 2016, fez I am on-line. “Sobre como sufocada está nossa vida por conta do excesso de conectividade” Na sequência, em 2018, está I am light. Nela, está a ideia de que não precisamos de nada externo para ser feliz. Tudo da gente. A ideia da série foi transformar os modelos numa explosão de luz. No universo de possibilidades”, analisa

“Estou me inspirando cada vez mais nos processos à mão, fazendo do artista parte da composição. Trabalho diretamente com os modelos. Cada vez mais tenho me inspirado no homem, em suas reflexões, seus encontros, seus problemas. E tenho transformado isso na minha busca, em como encontrar essas respostas para transformar, para a gente se entender mais do que qualquer outra coisa. E assim, criar uma discussão que vá nos transformar como ser humano”, pondera.

Fotografia, imagem e outros apelos artísticos auxiliam o tratamento de pacientes na rede hospitalar

Com atividades lúdicas e artísticas, o Museu da Fotografia Fortaleza (MFF) proporciona momentos criativos aos pacientes para amenizar a espera e o tratamento.

Pinturas e fotografias estão entre as atividades artísticas desenvolvidas por meio do projeto Museu nos Hospitais, uma iniciativa do Museu da Fotografia

Poucas situações tiram o sossego de um adulto minimamente sensível como a dor de uma criança. Acompanhar os pequenos quando estão doentes é oportunidade, para os pais e demais responsáveis pela infância, de experimentar empatia e conhecer a própria resistência diante de situações-limite. No sentido de aliviar essa vivência, o casamento entre a arte e os tratamentos de saúde tem crescido e se tornado um lugar comum dentre os espaços terapêuticos e de atendimento médico.

O projeto Museu nos Hospitais, que teve início no último mês de março, se insere nesse contexto delicado. Por meio dele, educadores do Museu da Fotografia Fortaleza (MFF) apresentam imagens, pintura, dentre outras linguagens artísticas nas tardes de terça a sexta-feira, aos pacientes atendidos pelos diversos setores do Hospital Infantil Luís França (Centro).

A partir desta semana, a ação se expandiu para outro espaço de saúde na Região Metropolitana de Fortaleza: o hospital Ana Lima, em Maracanaú (CE). Em julho, mais uma unidade de saúde será atendida. O projeto acontece em parceria com o plano de saúde Hap Vida e procura, basicamente, estimular o contato entre as crianças, a imagem e outras artes, de forma lúdica . “As oficinas aqui são voltadas para imagem e fotografia, mas a gente também relaciona com outras linguagens artísticas. É uma ação arte-terapêutica. Além de distrair as crianças nas salas de espera, dentre outros locais de atendimento no hospital, ajuda a desenvolver a criatividade”, situa Keli Pereira, coordenadora do Núcleo Educativo do MFF.

Os educadores circulam pelo hospital e envolvem pequenos pacientes, em diversas situações de atendimento, a exemplo das salas de triagem e enfermarias. Algumas estão internadas, outras aguardam consultas de rotina. “Tem crianças tomando medicação, outras na internação. Algumas só estão esperando serem atendidas, então a gente faz alguma atividade mais rápida”, detalha Keli.

Segundo a educadora, integrar arte e saúde é algo que “anda bem junto” e traz qualidade de vida para todos os envolvidos no tratamento infantil: a criança, os adultos responsáveis e a equipe médica.

Oncologia

Júlia Cunha, enfermeira do setor de oncologia do Luís França, tem impressão similar e olha para os benefícios da ação entre seus pacientes, as crianças com câncer. Ela observa que, durante a internação, os pequenos se ausentam da rotina escolar e as atividades artísticas compensam, em parte, a perda temporária dessa interação.

“Com a quimioterapia, elas ficam sem imunidade pra frequentar a escola. Nem toda mãe tem a iniciativa de pegar um desenho e interagir com o filho. Então, a atividade do Museu acaba resgatando o sorriso delas, a comunicação, o colorido”, detalha Júlia.

A enfermeira reflete que a intervenção artística alivia a tensão que existe no ambiente de internação. “E a criança sente muito tudo isso. A gente mente se disser que não sente. O câncer é uma doença grave, é quimioterapia. Se exige muito dos pacientes. Mas com a arte, a gente vê elas mais felizes, mesmo na dificuldade”, observa.

Iniciação

Numa das salas de espera do Luís França, Thalya Mendes, de apenas 6 anos, viu uma máquina de fotografia digital pela primeira vez. Antes, ela só havia experimentado tirar fotos no celular e, com toda a sinceridade peculiar à infância, declara à reportagem como gosta de fazer fotografia. “E eu também gosto de pintar, qualquer coisa”, resume.

Dividido entre a mesma máquina fotográfica e a pintura de desenhos de animais, paisagens, dentre outras figuras, Adriel Pereira, 6, observava que “fiz umas fotos aqui, que a tia (uma das educadoras do Museu) me pediu. Também pinto todo tipo de coisa, aqui e na escola”, descrevia o menino, concentrado nas atividades artísticas. “Ele é doido por arte. Diz que vai ser artista”, complementa a mãe, Karine Pereira (27).

Além de amenizar o fardo do hospital dentre os pacientes infantis, a ação do MFF, para Anderson Nascimento, superintendente da rede hospitalar do Hap Vida, pode ter desdobramentos na vida das crianças além do ambiente terapêutico.

“Quando você tira o foco da internação, e traz elas pra imaginação, pro sonho, isso tem muitos benefícios. Se criam vários horizontes na vida dessa criança, a partir de um momento de dor pra ela”, reflete.